A ARCA - A arte em ser do contra!
 
Menu du jour! Tutu Figurinhas: o nerd mais bonito e inteligente dessas paragens destila seu veneno! GIBI: Histórias em Quadrinhos, Graphics Novels... é, aquelas revistinhas da Mônica, isso mesmo! PIPOCA: Cinema na veia! De Hollywood a Festival de Berlim, com uma parada em Nova Jérsei! RPG: os jogos de interpretação que, na boa, não matam ninguém! ACETATO: Desenhos animados, computação gráfica... É Disney, Miyazaki e muito mais! SOFÁ: É da telinha que eu estou falando! Séries de TV, documentários... e Roberto Marinho não está morto, viu? CARTUCHO: Videogames e jogos de computador e fliperamas e mini-games e... TRECOS: Brinquedos colecionáveis e toda tranqueira relacionada! Tem até chiclete aqui! RADIOLA: música para estapear os tímpanos! Mais informações sobre aqueles que fazem A Arca Dê aquela força para nós d´A Arca ajudando a divulgar o site!
Artigo adicionado em 22/10/2003, às 04:08

UMA SEMANA SEM TV A CABO…
Que tortura…

Por
Tutu Figurinhas


Era normal que isso acontecesse. Afinal, entre duas viagens para a Europa (a trabalho, por favor), um sujeito que mora sozinho como eu só poderia esquecer de pagar algumas continhas. O que eu não imaginava é que uma delas seria justamente… a da TV a cabo. Diabos, este fiozinho branco é item indispensável na minha vida, como viver sem ele (parafraseando Homer Simpson)? Resultado: eles cortaram meu fornecimento de diversão a cabo. E como eu só teria alguma grana sobrando na semana seguinte… fiquei exatos sete dias à mercê dos perigos da TV aberta.

Eu moro sozinho (com um cachorro chamado Ozzy). Não tenho namorada e nem tampouco um ‘casinho’. Meu computador de casa está quebrado – o bichinho já passou pelas mãos de dois técnicos diferentes e nada de voltar a funcionar. Que Deus o tenha. Já li e reli milhares de vezes todos os meus gibis. Devoro as minhas revistas semanais em no máximo meia-hora. Meu videogame está emprestado para o R.Pichuebas. E depois de escrever tanto o dia inteiro, como bom jornalista que sou, a última coisa que eu quero é chegar em casa e ter que gastar mais neurônios com um livro denso. Tudo que eu queria era o bom e velho entretenimento pop preenchendo as minhas veias. Mas… não rolou. Então, acabei tendo que experimentar o bizarro mundo da Globo, do SBT, da Record…

Faziam quase oito meses que eu nem sequer passava por qualquer emissora de TV aberta. E constatei que nada mudou. Absolutamente. Vi, por exemplo, a estréia da tal novela Celebridade, atração global das 20h. Apesar de algumas coisinhas divertidas (e extremamente reais, como posso constatar na redação do meu próprio jornal), é a mesma bobagem de antes. Os ricos bozinhos, os pobres querendo subir na vida, as piadas de mau gosto, os peitos de fora (Deborah Secco e Juliana Paes), as bundas de fora (Thiago Lacerda)… Tudo seguindo aquela velha fórmula do padrão Globo de qualidade.

Admito: foi bom rever algumas piadas do Casseta & Planeta e da Grande Família (que não são de todo ruins) e também o retorno da série Cidade dos Homens. Junto com o El Cid, redescobri os horários de séries do SBT – e aprendi a gostar ainda mais de Smallville. Mas, do outro lado, quase vomitei quando tive que me deparar com a temível programação dominical. Fico indignado ao ver um calhorda como o Sr.Gugu Liberato apresentando um programa impunemente, como se nada tivesse acontecido depois daquela armação com os sujeitos do PCC. E o que é pior: o Domingo Legal reúne as mesmas vagabundas e descerebrados de sempre, todos pseudo-celebridades irritantemente querendo aparecer…

Um dos momentos mais dolorosos da semana foi, sem dúvida, quando me forcei a ver aquela estupidez que atende pelo nome de Superpop. A poderosa Luciana Gimenez é um espetáculo de mulher, mas a tal olimpíada entre astros instântaneos que ela fez no último sábado foi de doer o estômago… Quando começaram as brincadeiras da camiseta molhada, fiquei com saudades dos meus canais pornôs da TV a cabo. Pelo menos ali a putaria é mais sincera.

Fiquei extremamente deprimido ao assistir a , retrato da decadência de grandes nomes do nosso humor, como o impagável Zé Bonitinho, obrigado a contracenar com a pavorosa Luiza Ambiel. Deus, onde vamos parar?

Pagar a fatura da operadora foi um prazer quase orgástico na semana seguinte. Quase chorei quando puder ver as reprises de Seinfeld e os episódios dos Simpsons sem o tratamento boçal da Globo. Valeu a pena até rever a cara de bolacha do Jay Leno e os cabelos encaracolados daquela mala-sem-alça do Felicity

—————————————-

Ah, é: agora eu também tenho blog, que luxo. Coisa fina mesma. Vai lá conhecer um pouco mais da minha vida, meu!

http://tutufigurinhas.blog.aol.com.br

—————————————-

* Esta coluna foi escrita ao som da banda carioca Matanza. Pé na porta e soco na cara procê. Vale a pena conhecer este som para beber e brigar. É country, é rock, é hardcore, é ducaralho. Conheça: www.matanza.com.br

:: A ARCA, Eu Te Amo.
:: Review ::: DVD + CD ::: USED & ABUSED - IN LIVE WE TRUST (In Flames) - sem inagens
:: Review ::: DVD ::: THE ARSENAL OF MEGADETH (Megadeth) - sem imagens
:: Review ::: DVD ::: R30 - 30TH ANNIVERSARY WORLD TOUR (Rush) - sem imagens
:: RUNAWAY BRAIN: o curta-metragem esquecido do Mickey Mouse
:: CINE PARADISO NA VIDA REAL
:: Review ::: Show ::: EDGUY (Credicard Hall - São Paulo/SP - 03/11/2006)
:: Review ::: Show ::: LIVE 'N' LOUDER ROCK FEST (Anhembi - São Paulo/SP - 14/11/2006)
:: Review ::: CD ::: A TWIST IN THE MYTH (Blind Guardian)
:: Review ::: CD ::: WOLFMOTHER (Wolfmother)
>> Mais materias AQUI!

Quem Somos | Ajude a Divulgar A ARCA!
A ARCA © 2001 - 2007 | 2014