A ARCA - A arte em ser do contra!
 
Menu du jour! Tutu Figurinhas: o nerd mais bonito e inteligente dessas paragens destila seu veneno! GIBI: Histórias em Quadrinhos, Graphics Novels... é, aquelas revistinhas da Mônica, isso mesmo! PIPOCA: Cinema na veia! De Hollywood a Festival de Berlim, com uma parada em Nova Jérsei! RPG: os jogos de interpretação que, na boa, não matam ninguém! ACETATO: Desenhos animados, computação gráfica... É Disney, Miyazaki e muito mais! SOFÁ: É da telinha que eu estou falando! Séries de TV, documentários... e Roberto Marinho não está morto, viu? CARTUCHO: Videogames e jogos de computador e fliperamas e mini-games e... TRECOS: Brinquedos colecionáveis e toda tranqueira relacionada! Tem até chiclete aqui! RADIOLA: música para estapear os tímpanos! Mais informações sobre aqueles que fazem A Arca Dê aquela força para nós d´A Arca ajudando a divulgar o site!
Artigo adicionado em 13/11/2006, às 11:05

Review ::: CD ::: SYMPHONY OF ENCHANTED LANDS II (Rhapsody)
Ouça o CD e NÃO veja o filme!

Por
Thiago "El Cid" Cardim


::: SHOPPING: COMPRE ESTE CD CLICANDO AQUI!

Juro que eu não entendo. De verdade. Toda vez que alguém resolve criticar o chamado Metal Melódico, a primeira banda a levar porrada é o Rhapsody. “(…) Porque isso não é o verdadeiro Metal”, “(…) porque eles são uma banda de mentira”, “(…) e quem foi que disse que Metal tem a ver com dragões e cavaleiros?” são apenas alguns dos argumentos usados pelos fãs mais “puristas” (que eu gosto de chamar de “chatos”) para tentar desacreditar a trupe de Luca Turilli em nome do metal mais duro, seco, pesado e brutal. E eu, sinceramente, acho tudo isso uma bobagem.

A começar por esta idiotice de “verdadeiro Metal”. Quem diz o que é ou não verdadeiro num gênero musical? Metal só pode ser considerado Metal se for tradicional como o Iron Maiden.? Ou pesado e tribal como o Sepultura? Pega leve, camarada! O que faz da música uma arte é a capacidade de criar – e inventividade e reciclagem do gênero só faz bem. Se o resultado final for bom, temos em mãos mais uma lição de até onde o Metal pode chegar. E se o resultado final for ruim, pelo menos sabemos para onde o Metal não deve caminhar. E os detratores do Rhapsody podem até não gostar, o que é absolutamente justo, mas o fato é que eles têm elaborado muito bem a sua proposta musical.

Em Symphony of Enchanted Lands II: The Dark Secret, novo álbum do grupo e que, apesar do título, não é continuação direta da história desenvolvida no disco de 98, quem abre a primeira faixa é o ator Christopher Lee (o Saruman da trilogia “O Senhor dos Anéis”) – e que, com o seu vozeirão, narra esta nova saga, na qual Nekron, filho do Deus do Inferno Kron, torna-se a principal ameaça para o planeta, com seus sete demônios imortais transformados em pedra pelos anjos do reino de cristal e o último de seus sete livros sombrios, contendo o segredo para a sua ressurreição. Já dá para imaginar tudo isso num filme, não? Com efeitos especiais de primeira grandeza e o Jeremy Irons no papel do Deus do Inferno.

O fato é que, seja pela produção de Joey DiMaio (baixista do Manowar), ou seja pelo tema épico de caráter um pouco mais sombrio, o Metal ‘trilha-sonora’ do Rhapsody – como eles mesmos gostam de chamar – cresceu. E muito. Cresceu em sonoridade, ganhando ares mais operísticos em alguns momentos, como na bela The Magic Of The Wizard’s Dream. Cresceu em orçamento também – porque, desta vez, uma orquestra com dezenas de solistas convidados participou das gravações e fez com que a banda entrasse de cabeça em composições com a mesma agressividade rasgada, mas desta vez com os pés começando a tatear elementos da música clássica. Ok, Shadows Of Death e Unholy Warcry são faixas que mais lembram a porradaria de Dawn of Victory do que uma orquestra. Mas a bela Guardiani Del Destino, cantada em italiano, é absolutamente sedutora e, fazendo jus ao gênero de Metal que Turilli e o tecladista Alex Staropoli (os dois mentores intelectuais da banda) inventaram, acho que é o mais próximo que se pode chegar de ‘ver um filme sem assisti-lo’.

No fim das contas, ainda é um álbum típico do Rhapsody, com os excelentes vocais de Fabio Lione, os riffs elaborados de Turilli, as baladas, o caráter épico e até aquela canção de inspiração folclórica celta (Elgard’s Green Valleys, com os passarinhos cantando ao fundo e tudo mais). Quanto a isso, os seguidores fiéis destes italianos não precisam se preocupar. Mas é o MAIOR álbum do Rhapsody. Um tanto exagerado até – mas, neste caso, casa perfeitamente com a proposta musical dos caras. E depois de cinco meses de produção, eles chegaram ao que parece ser o extremo de seu estilo. Duas perguntas, então, ficam no ar: 1) o que será que eles vão aprontar no próximo disco? e 2) quando diabos eles saem em turnê?

Line-up:
Fábio Lione – Vocais
Luca Turilli – Guitarra
Alex Staropoli – Teclado
Patrice Guers – Baixo
Alex Holzwarth – Bateria

Tracklist:
1. The Dark Secret: Ira Divina
2. Unholy Warcry
3. Never Forgotten Heroes
4. Elgard´s Green Valleys
5. The Magic of the Wizard´s Dream
6. Erian´s Mystical Rhymes: the White Dragon´s Order
7. The Last Angels´ Call
8. Dragonland´s Rivers
9. Sacred Power of Raging Winds
10. Guardiani Del Destino
11. Shadows of Death
12. Nightfall on the Grey Mountains

Gravadora:
Laser Company

:: Review ::: DVD + CD ::: USED & ABUSED - IN LIVE WE TRUST (In Flames) - sem inagens
:: Review ::: DVD ::: THE ARSENAL OF MEGADETH (Megadeth) - sem imagens
:: Review ::: DVD ::: R30 - 30TH ANNIVERSARY WORLD TOUR (Rush) - sem imagens
:: Review ::: Show ::: EDGUY (Credicard Hall - São Paulo/SP - 03/11/2006)
:: Review ::: Show ::: LIVE 'N' LOUDER ROCK FEST (Anhembi - São Paulo/SP - 14/11/2006)
:: Review ::: CD ::: A TWIST IN THE MYTH (Blind Guardian)
:: Review ::: CD ::: WOLFMOTHER (Wolfmother)
:: Review ::: CD ::: CUBANAJARRA (Velhas Virgens)
:: Review ::: CD ::: ROCKET RIDE (Edguy)
:: Review ::: CD ::: 25 TO LIVE (Grave Digger)
>> Mais materias AQUI!

Quem Somos | Ajude a Divulgar A ARCA!
A ARCA © 2001 - 2007 | 2014